Bom dia !     Utilizadores Online:       

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

TEMPOS DE MUDANÇA!

Data adicionada : January 14, 2017 03:00:04 PM
Autor: _Álvaro Viegas
Categoria:
 
_Álvaro Viegas
13 janeiro 2017




Os tempos atuais são de mudança de paradigma político. Nunca em 43 anos de democracia tinha sido possível um entendimento entre os partidos mais à esquerda do nosso panorama político.

Depois de ultrapassadas as legítimas dúvidas sobre a consistência desta coligação parlamentar que sustenta o governo do PS, hoje é comummente aceite que esta experiência governativa irá durar uma legislatura. Até a Comissão Europeia e os DDT (donos disto tudo) os alemães parecem surpreendidos com esta experiência que irá contagiar outras democracias.

Perante este cenário, era expectável que a oposição (PSD+CDS) percebesse esta nova realidade e adaptassem um novo discurso e uma estratégia para 4 anos e não agissem como se o governo caísse amanhã.

O CDS percebeu bem cedo esta mudança e mudou de liderança. Mas mudar só de líder não chega. É necessário um novo discurso, nova mensagem política dirigida a alguns sectores específicos como sempre fez este partido, como o exemplo da lavoura, dos reformados ou dos combatentes.

No PSD a situação é mais complexa e mais difícil. O atual líder persiste em manter-se e pior do que isso a não aceitar alterar a sua postura (parece sempre um primeiro-ministro na reserva). O simples facto de aparecer com o mesmo pin que usou enquanto PM é revelador do que afirmo.

Perante estes factos e a manter-se o discurso do "para o mês que vem chega o diabo" ou "se espera pela troika em Janeiro", advinha-se uma longa travessia no deserto para a oposição. Claro que tudo se pode alterar dentro da coligação de esquerda. A economia resvala? O PCP retira o apoio ao governo? O BE torna a governação insustentável com as suas exigências e o governo cai?

Ou pelo contrário, o CDS e o PSD mudam de discurso e apresentam propostas alternativas aos portugueses? O PSD muda de líder e encontra uma personalidade que personifique a verdadeira social democracia que sempre foi de centro-esquerda e que o seu fundador Sá Carneiro defendeu e morreu por ela?

Tudo se clarificará até às próximas autárquicas. Outubro de 2017 será no meu ponto de vista o virar de página para o PSD. Se assim acontecer pode ser que a renovação da maioria parlamentar que sustenta o governo não seja um passeio em 2019.

* Advogado

 
main
Avaliações
main
comentários
main