Boa Tarde !     Utilizadores Online: 4      

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

Indústrias Criativas: O Empreendedorismo baseado no Talento

Data adicionada : December 04, 2016 05:00:03 PM
Autor: Dinis Caetano
Categoria:
 
Dinis Caetano
03 dezembro 2016




Dentro dos negócios de maior potencial na atualidade sobressaem as indústrias criativas, um sector que inclui as áreas de entretenimento digital, televisão, artes visuais, media digitais, videojogos, etc. A importância das indústrias criativas fica bem patente no relatório "Cultural Times" da consultora E&Y, segundo o qual 7,7 milhões de europeus trabalham nas indústrias criativas na Europa, que geraram em 2013 receitas da ordem dos 623 mil milhões de euros.

Em Portugal, estas áreas de negócio também estão em fase de crescimento, sobretudo através de empresas de base tecnológica, empreendedorismo qualificado e quadros altamente especializados. Em suma, empresas que fazem do talento, da criatividade e da flexibilidade, fatores críticos de sucesso e criação de valor.

Atualmente, uma empresa para ser competitiva tem que reunir pelo menos três competências críticas: (i) conhecimento do negócio; (ii) conhecimento da empresa; (iii) conhecimento da tecnologia. Acresce nas indústrias criativas, que devido ao mundo digital em que vivemos, caracterizado por uma aceleração tecnológica sem precedentes, o conhecimento da tecnologia tem que basear-se em fortes competências no digital, assente em novas formas de interligação, conectividade, produção e distribuição de conteúdos.

Para o desenvolvimento das indústrias criativas em Portugal, precisa-se de empresas autossustentáveis e pessoas qualificadas. Também de um sistema científico e tecnológico "amigável" e de instrumentos mobilizadores que contribuam para o crescimento desse tipo de empresas, através da aceleração de processos criativos e de transferência de tecnologia, produção e comercialização de bens e serviços, sobretudo baseados em inovação. É evidente que estas empresas, como todas as outras, também se debatem com questões como angariação de capital, recrutamento de pessoal especializado, apropriação do conhecimento, conquista de novos mercados e internacionalização.

Depois do trabalho pioneiro de incubadoras de indústrias criativas como a INSerralves (Fundação de Serralves) e das Incubadoras de Lisboa, decorrem negociações para a instalação em Portugal da THU Playground que irá receber empresas especializadas em efeitos especiais digitais e pretende ser a maior incubadora e aceleradora de indústrias criativas do mundo. A seguir ao recente sucesso da Web Summit, que decorreu no nosso país no passado mês de novembro, esse é um investimento a não deixar fugir apesar da concorrência de países como a Irlanda e Itália. A acontecer, esse investimento pode ter grande impacto nas exportações e na criação de emprego. Mais uma oportunidade para aproveitar o muito talento existente em Portugal.

* Economista

 
main
Avaliações
main
comentários
main