Boa Tarde !     Utilizadores Online: 7      

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

VIAGENS CANCELADAS, DIREITOS PRETERIDOS…

Data adicionada : November 25, 2016 05:00:02 PM
Autor: Mário Frota
Categoria:
 
Mário Frota
25 novembro 2016
VIAGENS CANCELADAS, DIREITOS PRETERIDOS…



Conquanto regulados por instrumentos com o peso das instituições de onde emanam, maxime do Parlamento Europeu, e a despeito de normas imperativas a impor a mais ampla informação aos consumidores, o facto é que nem sempre os direitos dos passageiros de transportes aéreos são observados entre nós ante a sobranceira postura da companhia de bandeira que continua a voar pelos céus do mundo ostentando a flâmula de Portugal.

E isso é mais do que preocupante!

Talvez valha a oportunidade para reportar este estranhíssimo fenómeno que é o de os consumidores serem considerados em Portugal como cidadãos descapacitados a quem se subtrai direitos. A que acrescem os silêncios intermináveis da companhia de bandeira que faz tábua rasa do que os regulamentos europeus prescrevem.

E talvez se justifique que neste passo se recorde tais direitos a tantos, em tantas ocasiões, sonegados:

Com efeito, o Regulamento (CE) n.º 261/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho estabelece regras comuns para a indemnização e assistência aos passageiros dos transportes aéreos em caso de recusa de embarque e de cancelamento ou atraso do vôo.

Os passageiros afectados pela recusa de embarque, cancelamento ou retardamento de vôo têm direito a:

1. Opção entre:
- o reembolso do preço do bilhete de passagem, nos casos em que desistam do vôo em razão de já se não justificar ante o plano inicial da viagem e
- o reencaminhamento, em condições de transporte equivalentes, para o destino final na primeira oportunidade;

2. Direito gracioso a refeições e bebidas em proporção razoável face ao tempo de permanência em terra e, se necessário, ao alojamento em hotel ou e transporte entre o alojamento e o aeroporto e ainda a duas chamadas telefónicas ou por telecópia ou correio electrónico;

3. Indemnização (em determinadas situações e dependendo da hora de chegada ao destino final, a indemnização pode ser reduzida em 50%) de:
- 250€ em vôos até 1.500 km
- 400€ em vôos intracomunitários com + 1.500 km e outros entre 1.500 km e 3.500 km
- 600€ em vôos com mais de 3.500 km.

OBSERVAÇÃO RELEVANTE:

A compensação não será devida aos passageiros se:

1. Tiverem sido informados do cancelamento, tal como o estabelece o Regulamento

a) Com duas semanas de antecedência;

b) Entre duas semanas e sete dias, se lhe for dada a alternativa de partir até 2 horas antes e chegar ao destino final até 4 horas depois;

c) Com menos de sete dias, se lhe for dada a alternativa de partir até 1 hora antes e chegar ao destino final até 2 horas depois.

Cumpre à transportadora provar se e quando deu a saber do cancelamento ao consumidor.

2. A transportadora aérea puder provar que tal se ficou a dever a circunstâncias extraordinárias, como tal definidas no Regulamento (CE) n.º 261/2004.

DE REGISTAR AINDA QUE:

A compensação deve ser paga em numerário, através de cheque ou transferência bancária.

Ou por meio de vales de viagem e/ou outros serviços, mediante acordo escrito celebrado livremente com o passageiro.

Fiquem, pois, estes dados, à guisa de advertência, para que as empresas relapsas e contumazes se não prevaleçam da ignorância geral para se eximirem às responsabilidades que lhes cabem neste particular.

Há tempos foram cerca de 300 passageiros, na maioria brasileiros, os lesados, e os escassos pedidos de compensação pelos atrasos de mais de 24 horas ficaram de todo por regularizar por manifesta relutância da empresa em reconhecer direitos e em dialogar com as vítimas.

 
main
Avaliações
main
comentários
main