Bom dia !     Utilizadores Online:       

DISTRITOS
Algarve
Aveiro
Beja
Bragança
Braga
Castelo Branco
Coimbra
Évora
Guarda
Leiria
Lisboa
Portalegre
Porto
Santarém
Setúbal
Viana do Castelo
Vila Real
Viseu
Açores
Madeira
main
main

Exploração petrolífera no Algarve: uma ideia a considerar sem tabus

Data adicionada : January 11, 2016 05:00:06 PM
Autor: Steven Piedade
Categoria:
 
Steven Piedade
11 janeiro 2016




O Governo português concedeu direitos de prospeção, pesquisa, desenvolvimento e produção de combustíveis fósseis (petróleo e gás natural) na região do Algarve e ao largo da sua costa marítima. Trata-se de uma questão complexa e melindrosa, uma vez que o tecido socioeconómico algarvio está muito dependente do turismo, da economia do mar e da biodiversidade - setores que, considerando eventuais riscos ambientais das atividades energéticas em causa, podem ser largamente afetados.

Mas, como em tudo na vida, não devemos ter uma visão maniqueísta e preconceituosa sobre esta questão. Se é verdade que há que salvaguardar a base socioeconómica da região e a sua qualidade ambiental, também é pertinente abrir o Algarve a outro tipo de investimentos e assim diversificar a economia local. Tanto mais que o petróleo e o gás natural são as principais fontes de energia das sociedades modernas e, como tal, a sua exploração gera importantes receitas, cria emprego e promove a coesão social.

O Algarve foi bastante fustigado pela crise que se abateu sobre o país e nem mesmo o extraordinário crescimento do turismo em Portugal nos últimos anos conseguiu amenizar a estagnação económica, o elevado endividamento de empresas e famílias e a contração do emprego que se vive na região. Perante este cenário, uma economia quase monosetorial (o peso do turismo é esmagador no tecido socioeconómico) e bastante marcada pela sazonalidade (as diferenças de atividade económica entre a época alta e a época baixa são abissais), como é a algarvia, tem necessariamente de atrair investimento em setores variados e com potencial.



Tudo isto para dizer que o Algarve não deve recusar liminarmente o investimento num setor com tantas potencialidades económicas como o energético, sob pena de estar a desbaratar uma oportunidade dourada de impulsionar, diversificar e equilibrar a economia da região. Esta tem sido, aliás, a opção nos países mais desenvolvidos, que, acautelando devidamente os riscos ambientes, não deixam de explorar o subsolo para extraírem recursos energéticos, sendo a Noruega um exemplo paradigmático disso mesmo.

A humanidade sempre retirou da natureza recursos indispensáveis à sua sobrevivência, garantindo assim uma melhor qualidade de vida. E nas últimas décadas, mercê de uma maior sensibilidade ecológica e dos avanços da ciência e da tecnologia, tem sido capaz de evitar alterações profundas do equilíbrio natural dos ecossistemas. É, pois, possível fazer uma gestão sustentável dos recursos que a natureza nos dá, desde que haja vontade política, know-how e recursos (sobretudo financeiros e tecnológicos) para o fazer.

Assim sendo, a exploração de hidrocarbonetos não deve ser rejeitada logo à partida como um tabu e é defensável que avance mesmo numa região abençoada pela natureza, como o Algarve, desde que os riscos ambientais sejam acautelados e minimizados e que a população seja devidamente informada sobre todo o processo. Espero, pois, que todas as salvaguardas ambientais, sociais e económicas possíveis nestes casos estejam desde já asseguradas e que os algarvios e os portugueses em geral possam obter garantias de que a produção de combustíveis fósseis se fará de forma transparente, respeitando o ecossistema e gerando retornos importantes para a economia local.



* Diretor Nacional ANJE / Algarve
 
main
Avaliações
main
comentários
main